Total de visualizações de página

Horario de Brasilia

PITIMBU NOTÍCIA

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Prefeitura de Pitimbu paga aumento salarial em dobro para professores da rede municipal


O prefeito de Pitimbu Leonardo Barbalho anunciou nesta quarta-feira (27) que pagará o aumento salarial de 8,5% para professores e supervisores escolares de toda Rede Municipal de Ensino, dobrando o percentual do piso nacional anunciado pelo Ministério da Educação. O reconhecimento na Educação é pelo crescimento da qualidade na educação demonstrado no último Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), onde o municipio foi o que mais cresceu no Litoral Sul.
Os valores reajustados serão pagos nos salários deste mês de fevereiro.
De acordo com o prefeito, o aumento “representa o reconhecimento da gestão municipal ao trabalho realizado pelos professores de Pitimbu”. Leonardo afirmou que, conforme as possibilidades do Município, será garantida a valorização dos “mestres e a melhoria das condições de trabalho nas escolas”.
A tabela divulgada mostra que um Professor Polivalente que receberia R$ 1.917,35, receberá R$ 1.997,05 e o professor com Licenciatura Plena passará de R$ 2.080,30 para R$ 2.166,77, superando mais que o dobro definido pelo Ministério da Educação (Mec).
Leonardo Barbalho que iniciou seu sétimo ano de gestão, conseguiu equilibrar as finanças de Pitimbu e conquistou o feito inédito de fazer com que o município de registrasse o recorde no Produto Interno Bruto (PIB) entre os municípios paraibanos. O PIB de Pitimbu foi o que mais cresceu na Paraíba e saiu do 45º lugar para 22º.
“Nós superamos todos os desafios. Confirmando aquilo que nós dizíamos, vale a pena investir em Pitimbu que mesmo na crise cresceu. Investimos em todas as áreas, dedicamos nossas vidas a essa gestão e o resultado é o reconhecimento através de números oficiais”, disse o gestor.

Portal Litoral PB 

sábado, 23 de fevereiro de 2019

Patrulha rodoviária do DER-PB realiza blitz no litoral paraibano

Patrulha rodoviária do DER-PB realiza blitz no litoral paraibano
As ações da Operação Verão Seguro realizadas nas rodovias de todo litoral paraibano seguem até o final deste mês, quando será iniciada a Operação Carnaval. De outubro para cá, quando a campanha teve início, foram registradas cerca de 380 infrações, entre elas dirigir sem carteira de motorista e veículo com licenciamento atrasado.
Esse trabalho de segurança no trânsito e fiscalização dos transportes é de responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem da Paraíba (DER-PB), planejado e coordenado pela Gerência Executiva de Transporte (GET), sendo executado por sua Patrulha Rodoviária, que conta, aproximadamente, com 15 patrulheiros.
Funcionamento - As blitzes acontecem sempre aos finais de semana, por toda a malha rodoviária do litoral da Paraíba com, aproximadamente, 180 quilômetros, em dias e horários pré-estabelecidos pela GET. A Operação Verão Seguro é realizada nas PB-044 (Caaporã/Pitimbu), PB-008 (Pitimbu/Jacumã/João Pessoa), PB-034 (Alhandra), PB-025 (Lucena), PB-019 (Lucena/acesso à Guia), PB-041 (Baía da Traição/ Rio Tinto), PB-061 (Mataraca).
As fiscalizações obedecem ao Regulamento do Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado da Paraíba, bem como ao Código de Trânsito do Brasil. A Operação conta, também, com as parcerias de outros órgãos, como a Polícia Rodoviária Federal, o Detran, BPTran, Bombeiros e Polícia Militar.
Essas atividades de fiscalização de trânsito e transportes já fazem parte do planejamento do DER, mas são intensificadas durante essas operações de segurança e prevenção. A próxima a ser executada será a Operação Carnaval Seguro, que terá início na próxima sexta-feira (1º), até o dia 6 de março.
O diretor de Planejamento e Transporte do DER, José Arnaldo Souza Lima, faz um apelo nesse período de festa. "Não transforme o seu Carnaval e de sua família em tragédia. Tenha cautela e cuidado", disse ele, lembrando que, se o motorista beber, nunca dirija.
Educação no Trânsito – Em paralelo com as ações de fiscalização são realizadas ações educativas para um ‘Trânsito Seguro’, com distribuição de material informativo contendo dicas de segurança no trânsito sobre cinto de segurança, cadeirinha para criança, velocidade, bebida alcoólica, sinalização, vagas de estacionamento obrigatórias, entre outras.
PB Agora

Moro: "No mundo real, não existe crise no governo

Moro:
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi ao Congresso, na tarde de hoje (19), entregar pessoalmente o pacote anticrime, dividido em três projetos distintos. Ao deixar o Parlamento, Moro disse que não há crise no governo federal e defendeu as medidas adotadas nestes quase dois meses de gestão.
Foi uma referência aos episódios envolvendo o ex-ministro Gustavo Bebianno, exonerado ontem (18).  "No mundo real, não existe nenhuma crise dentro do governo. O governo está apresentando projetos. Hoje é um projeto consistente, amanhã vai ser apresentado um projeto da nova Previdência absolutamente consistente", afirmou o ministro da Justiça.
Moro estava acompanhado do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Além dele, participaram da entrega dos projetos ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os ministros da Secretaria de Governo, Santos Cruz; da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; e da Economia, Paulo Guedes; bem como a ministra da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos, Damares Alves.
"É um governo que está buscando mudanças para melhorar a vida das pessoas. Para isso, se faz necessário melhorar a segurança pública, enfrentar o crime organizado, o crime violento e o crime de corrupção", acrescentou Moro.
Investigação
O ministro disse que as medidas previstas no pacote anticrime são "simples e de fácil compreensão", focadas no endurecimento à criminalidade mais grave. Ele citou a necessidade de aprimorar técnicas de investigação, como escuta ambiental e uso de agente encoberto, além "destravar" e legislação processual. "Nós não podemos ter aquele processo que nunca termina, isso não funciona", apontou.
Para Moro, o governo "está mostrando a que veio". Ele defendeu as ações realizadas até agora, citando medidas tomadas pela sua pasta. "Na área da segurança pública, que eu posso falar um pouco mais, houve uma crise de segurança pública, no Ceará, que foi debelada sem que a Força Nacional se envolvesse em qualquer confronto que envolvesse morte de inocentes ou mesmo de criminosos. Essa situação foi resolvida”, argumentou.
Segundo o ministro, “o governo tem agido para isolar lideranças criminosas, de maneira exitosa, fazendo junto com o governo de São Paulo algo que há 12 anos se planejava, mas não se fazia”. Ao lamentar a tragédia de Brumadinho (MG), o ministro lembrou que o governo federal agiu “com extrema competência” para atender às vítimas.
“Então, no mundo real, na minha avaliação, e me desculpe se isso parece um pouco laudatório do atual governo, o governo tem sido absolutamente exitoso nas propostas e projetos que tem apresentado", ressaltou.
Vitrine
No pacote anticrime, o governo tratou das alterações das competências da Justiça Eleitoral em um projeto de lei complementar e da tipificação do caixa 2 como crime em um projeto de lei ordinária.
"Havia um sentimento de que o caixa 2 é um crime grave, de fato é grave, mas não é tão grave como o crime organizado, homicídios e corrupção e houve, vamos dizer, uma reclamação para que não fosse tratado juntamente com essas outras condutas eletivas mais graves. É uma reclamação compreensível e foi acolhida", afirmou, ao sair da Câmara.
As medidas, que incluem alterações em 14 leis, como o Código Penal, o Código de Processo Penal, a Lei de Execução Penal, a Lei de Crimes Hediondos, o Código Eleitoral, entre outros, são consideradas uma das vitrines do governo. O pacote começou a ser construído ainda no período do governo de transição pela equipe de Moro e busca formas de endurecer o combate a crimes violentos, como o homicídio e o latrocínio, e também à corrupção e às organizações criminosas.
Confisco
Entre as medidas do texto está a elevação de penas para crimes com arma de fogo e o aprimoramento do mecanismo que possibilita o confisco de produto do crime, permitindo o uso do bem apreendido pelos órgãos de segurança pública. O projeto pretende deixar claro que o princípio da presunção da inocência não impede a execução da condenação criminal após segunda instância.
Outra proposta é a reforma dos dispositivos sobre crime de resistência, introduzindo soluções negociadas no Código de Processo Penal e na Lei de Improbidade. O texto conta também com medidas para assegurar o cumprimento da condenação após julgamento em segunda instância, aumentando a efetividade do Tribunal do Júri. Sergio Moro também defende tipificar como crime o chamado caixa 2, que é arrecadar, manter, movimentar ou utilizar valores que não tenham sido declarados à Justiça Eleitoral.
Outro ponto conceitua organizações criminosas e prevê que seus líderes e integrantes, ao serem encontrados com armas, iniciem o cumprimento da pena em presídios de segurança máxima. Condenados que sejam comprovadamente integrantes de organizações criminosas não terão direito à progressão de regime. A proposta ainda amplia – de um para três anos – o prazo de permanência de líderes de organizações criminosas em presídios federais.

Agência Brasil

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

AESA emite alerta de fortes chuvas para as próximas 48h do Brejo ao Alto Sertão

AESA emite alerta de fortes chuvas para as próximas 48h do Brejo ao Alto Sertão
Na tarde desta segunda-feira (18), a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (AESA), emitiu alerta sobre a possibilidade de fortes chuvas na próximas 48h em várias regiões. O órgão está em Estado de Atenção.
De acordo com comunicado emitido pelo órgão, a alta concentração de umidade no ar combinada ao calor contribui para manter o tempo instável. A AESA estima que as chuvas devama contecer do Brejo ao Alto Sertão, passando pelo Curimataú e o Agreste.
Nas outras áreas, as ocorrências de chuvas deverão ser pontuais.


PB Agora

Governo da Paraíba investe mais de R$ 43 milhões em obras rodoviárias estaduais

Da Redação com Secom/PB. Publicado em 18 de fevereiro de 2019 às 10:07.
O Governo da Paraíba investe atualmente mais de R$ 43 milhões em serviços de melhoramento na malha rodoviária estadual, com destaque para a pavimentação da PB-082, entre o entroncamento da PB-048 e Itabaiana e a restauração da PB-034, que liga a BR-101/Alhandra/Caaporã. A primeira tem uma extensão de 9,2 km e a segunda com 8,2 km.
Foto: Secom/PB
Foto: Secom/PB
Outras obras em andamento são as travessias de Areia de Baraúna, Monteiro e acesso ao aeroporto local; Pitimbu e a recuperação do trecho que liga a cidade até Acaú. Pavimentação de acessos à Comunidade do Grilo (Paralelepípedo), em Serra Redonda; PB-008, entre Costinha e Lucena. Pontilhão sobre o Riacho Rancho do Poço (9,3 metros), na PB-323 entre Catolé do Rocha e Brejo do Cruz; e, finalmente, recuperação da Passarela do Renascer, em Cabedelo, obras que totalizam mais de 16,8 km.
O diretor de Operações do DER da Paraíba, Armando Marinho, destaca a importância das obras, pois milhares de usuários das nossas rodovias serão beneficiados, já que terão mais segurança e conforto. “As obras estão em ritmo acelerado e, até o fim do mês de junho, serão concluídas”, afirma o diretor.
Além dessas obras, estão em andamento, também, serviços de manutenção da malha rodoviária estadual, em 3.200 km, contemplando rodovias do Litoral ao Sertão. Entre eles, destacam-se tapa-buraco, roço e desobstrução de galerias pluviais.
Segundo o diretor, em breve serão iniciadas as obras de construção da ponte de Mogeiro; acessos à Escola técnica de Itaporanga, bem como Junco do Seridó, entre a BR-230 e as divisas Paraíba/Rio Grande do Norte; construção de travessias urbanas na PB-087, em Pilões e na PB-085, na cidade de Sertãozinho.
Foto: Secom/PB
Também serão feitos 29 km de microrrevestimento na PB-025, entre a BR-101 e Lucena; além de serviços de sinalização horizontal e vertical, faixas de pedestres e outras marcas transversais na malha rodoviária.
Por fim, a Avenida Marechal Rondon terá a iluminação ornamental concluída no trecho entre o viaduto da BR-230 e o Aeroporto Castro Pinto.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Opinião: O silêncio dos inocentes ou a ingratidão dos covardes?

Opinião: O silêncio dos inocentes ou a ingratidão dos covardes?
Por Eliabe Castor
A ingratidão é algo que acompanha a história do homem ao longo da sua trajetória enquanto ser social. Ao seu lado, o silêncio também caminha entrecruzando a linha tênue da omissão, negação e covardia. Poderia, eu, buscar inúmeros exemplos históricos na antiguidade sobre tais aspectos faltosos, mas não pretendo, pois disponho de um atual e próximo. 
Falo do silêncio pouco inocente daqueles que usufruíram do respaldo político do ex-governador Ricardo Coutinho, firmando-se em cargos eletivos ou expandindo seus respectivos cabedais eleitorais. Senadores, deputados estaduais, federais, vereadores e um sem fim de “fiéis escudeiros” cavaram uma “trincheira gestual” quase covarde, não emitindo defesa necessária aos ataques e insinuações contra o ex-gestor e o seu vitorioso legado.
Na sua Bastilha, Ricardo Coutinho começa a observar a movimentação dos generais não afeitos às suas posturas ideológicas e políticas. Nesse tabuleiro beligerante, tais deslocamentos estratégicos são usuais e naturais. O problema identificado na batalha reside no fastio dos aliados que cerram fileira ao lado do ex-governador e gozam da sua confiança. Eles parecem não estar propensos ao embate,  mas deveriam, afinal o ex-gestor possui forte capacidade de articulação política e alto índice de aprovação na sociedade. Isso contará em 2020.
 Vozes costumeiras e estridentes da política paraibana parecem “dormir em berço esplêndido” entre o Planalto Central e o Rio Sanhauá. Seguem o script do “entrar mudo e sair calado”. Observam, de maneira passiva e inerte, aos ataques desferidos contra seu aliado. Um gesto pouco nobre àquele que os apoiou, de forma decisiva, no pleito de 2018 e em outras eleições pretéritas.
Por fim, na atual Parahyba do Norte, cabe, de forma perfeita, o pensamento do jornalista, escritor e político mexicano, Ignacio Manuel Altamirano, que viveu no século XIX.  Disse ele, em reflexão angustiada: “A ingratidão é o preço do favor não merecido”. 
PB Agora

Taxistas realizam cortejo silencioso em homenagem ao motorista morto por corretor de imóveis, em João Pessoa

Taxistas realizam cortejo silencioso em homenagem ao motorista morto por corretor de imóveis, em João Pessoa
O enterro do taxista Paulo Damião dos Santos, de 42 anos, assassinado a tiros na última terça-feira durante uma discussão de trânsito no bairro do Bessa, em João Pessoa, foi marcado pela presença de colegas de profissão, que realizaram um cortejo silencioso pelas ruas do bairro de Jaguaribe em direção ao cemitério localizado no bairro do Cristo Redentor.
Durante toda a noite de ontem e madrugada de hoje o corpo foi velado em uma central de velórios de Jaguaribe.
O suspeito de matar o taxista, corretor de imóveis Gustavo Teixeira Correia foi preso em flagrante em sua casa, após cerca de quatro horas de negociação com a Polícia Militar.
Ele segue detido na sede do 5º Batalhão da PM.
 Foto: Hebert Araújo/TV Cabo Branco
PB Agora

Veja concursos abertos na Paraíba de 17 a 24 de fevereiro

Veja concursos abertos na Paraíba de 17 a 24 de fevereiro
Nove editais de concursos abertos para prefeituras, câmara municipal e instituições de ensino superior oferecem 587 vagas de emprego na Paraíba de 17 a 24 de fevereiro. Confira.

Concurso da Prefeitura de Pedra Branca
Vagas: 47
Níveis: fundamental, médio e técnico
Salários: R$ 998 a R$ 7.500
Prazo de inscrição: até sexta-feira (22)
Local de inscrição: site da organizadora, Consulpam
Taxas de inscrição: R$ 60 (fundamental), R$ 90 (médio) e R$ 150 (superior)
Concurso do IFPB para técnico-administrativo

Vagas: 36
Níveis: médio; médio e técnico; e superior
Salários: de R$ 1.945,07 a R$ 4.180,66
Prazo de inscrição: até 25 de fevereiro
Local de inscrição: página do IFPB na internet
Taxas de inscrição: R$ 100 (nível médio) R$ 130 (médio e técnico) e R$ 150 (superior)
Provas: 31 de março de 2019
Concurso do IFPB para técnico-administrativos (tradutor e intérprete)

Vagas: 2
Nível: médio completo e proficiência em libras
Salário: R$ 2.446,96
Prazo de inscrição: até 25 de fevereiro
Local de inscrição: página do IFPB na internet
Taxas de inscrição: R$ 130
Provas: 14 de abril

Concurso da UFPB para técnico-administrativo
Vagas: 131
Níveis: médio, médio e técnico e superior
Salários: R$ 1.945,06 a R$ 4.180,66 mais auxílio
Prazo de inscrição: até 25 de fevereiro
Local de inscrição: site da organizadora, Instituto AOCP
Taxas de inscrição: R$ 45 (nível intermediário), R$ 60 (nível médio) e R$ 85 (nível superior)
Provas: 7 de abril de 2019

Concurso da Prefeitura de São José de Caiana
Vagas: 52, sendo 14 para pessoas com deficiência
Níveis: fundamental, médio e técnico
Salários: R$ 998 a R$ 12 mil
Prazo de inscrição: até 28 de fevereiro
Local de inscrição: site da organizadora, Funvapi
Taxas de inscrição: R$ 50 (nível fundamental), R$ 70 (médio/técnico), R$ 100 (superior)
Provas: 31 de março

Concurso do IFPB para professores
Vagas: 90
Nível: superior
Salário: de R$ 4.892,44 a R$ 9.600,92
Prazo de inscrição: até 7 de março
Local de inscrição: página do IFPB na internet
Taxas de inscrição: R$ 150
Provas: 2 de junho

Concurso da Prefeitura e da Câmara de Curral Velho
Vagas: 33 | 4
Níveis: alfabetizado, fundamental, médio, técnico e superior | fundamental e médio
Salários: R$ 998 a R$ 8 mil | R$ 998
Prazo de inscrição: até 10 de março
Local de inscrição: site da organizadora, Conpass
Taxas de inscrição: R$ 60 (alfabetizado e nível fundamental) R$ 80 (médio e técnico) e R$ 100 (superior)
Provas: 14 de abril de 2019

Concurso e seleção da Prefeitura de Lucena
Vagas: 193
Níveis: fundamental, médio e técnico
Salários: R$ 998 a R$ 3.850,95
Prazo de inscrição: até 17 de março
Local de inscrição: site da organizadora, Idib
Taxas de inscrição: R$ 70 (fundamental), R$ 100 (médio), R$ 130 (superior)
Provas: 28 de abril
G1

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Polícia identifica envolvidos em linchamento a suspeito de ferir ex-companheira com chave de fenda em Pitimbu; homem morreu


Polícia identifica envolvidos em linchamento a suspeito de ferir ex-companheira com chave de fenda em Pitimbu; homem morreu
Investigadores da Polícia Civil já começaram a identificar suspeitos de participarem de linchamento no município do Pitimbu, no Litoral Sul, no dia 27 de janeiro. Um homem, que teria tentado contra a vida de sua ex-esposa a ferindo com uma chave de fenda, foi cercado por poulares e linchado até a morte.
Na ocasião, a técnica de enfermagem, de 30 anos, participava de uma festa em via pública quando teve a ferramenta cravada em suas costas e logo após o crime, o homem, identificado como Adenilson Ferreira de Sousa, foi cercado por testemunhas e linchado.
Durante a agressão ao suspeito, vários vídeos foram feitos e compartilhado nas redes sociais. Com base no trabalho dos investigadores, alguns dos envolvidos já foram identificados e deverão responder pelo crime de homicídio.
ENTENDA
De acordo com a vítima, o casal estava separado há 10 dias. Após ela ter ido à delegacia para solicitar uma medida protetiva e que o ex-marido se afastasse, o casal entrou em acordo onde ficou decidido que Adenilson deixaria a casa. A polícia acredita que, insatisfeito com o fim de relacionamento, ele teria tentado matar a ex-mulher.
Ferida, a mulher foi socorrida ao Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa e liberada cerca de 24 horas depois do crime.

PB Agora

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Lula é condenado a 12 anos de prisão em ação da Lava Jato sobre sítio de Atibaia

Lula é condenado a 12 anos de prisão em ação da Lava Jato sobre sítio de Atibaia
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado, nesta quarta-feira (6), a 12 anos e 11 meses por corrupção e lavagem de dinheiro no processo da Lava Jato que apura se ele recebeu propina por meio da reforma de um sítio em Atibaia (SP).
A sentença da juíza substituta Gabriela Hardt, da primeira instância, é a segunda que condena Lula na Operação Lava Jato no Paraná. Cabe recurso. Outras 12 pessoas foram denunciadas no processo.
O ex-presidente está preso desde abril de 2018 em Curitiba, onde cumpre pena de 12 anos e 1 mês determinada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), na primeira condenação dele na segunda instância pela Lava Jato. Ele foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá (SP).
A juíza Gabriela Hardt – que substituiu o ex-juiz Sérgio Moro – declarou na nova sentença ter ficado comprovado que:
- A OAS foi a responsável pelas reformas na cozinha do sítio de Atibaia no ano de 2014;
- As obras foram feitas a pedido de Lula e em benefício de sua família, sendo que ex-presidente acompanhou o arquiteto responsável, Paulo Gordilho, ao menos na sua primeira visita ao sítio, bem como o recebeu em São Bernardo do Campo para que este lhe explicasse o projeto;
- Foram executadas diversas benfeitorias no sítio, mas consta da denúncia somente o valor pago à empresa Kitchens, no valor de R$ 170 mil;
- Toda a execução da obra foi realizada de forma a não ser identificado quem executou o trabalho e quem foi o beneficiário;
- Todos os pagamentos efetuados pela OAS à Kitchens foram feitos em espécie, no intuito de não deixar rastros de quem era o pagador;
- Não houve ressarcimento à OAS dos valores desembolsados pela empresa em benefício de Lula e de sua família.
Gabriela Hardt afirmou que:
"É fato que a família do ex-presidente Lula era frequentadora assídua no imóvel, bem como que usufruiu dele como se dona fosse. Inclusive, em 2014, Fernando Bittar alegou que sua família já não o frequentava com assiduidade, sendo este usado mais pela família de Lula";
- Lula tinha pleno conhecimento de que a OAS era uma das participantes do "grande esquema ilícito que culminou no direcionamento, superfaturamento e pagamento de propinas em grandes obras licitadas em seu governo, em especial na Petrobras. Contribuiu diretamente para a manutenção do esquema criminoso";
- O ex-presidente também tinha uma relação próxima com o ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro Filho, e "tinha ciência do 'caixa geral' de propinas mantido entre a empresa e o Partido dos Trabalhadores";
- Consequentemente, Lula tinha plena ciência da origem ilícita dos recursos utilizados pela OAS na reforma da cozinha do sítio. "Portanto, reputo comprovada sua autoria pela contribuição na ocultação e dissimulação de que era o real beneficiário dos valores ilícitos empregados pela OAS na reforma do sítio de Atibaia";
- "Foram ouvidas mais de uma centena de testemunhas, anexados dezenas de depoimentos produzidos em feitos correlatos como prova emprestada, deferida realização de prova pericial, anexados diversos documentos, sendo nítido que a produção probatória é farta".
A juíza determinou ainda o confisco do sítio de Atibaia. Ela afirmou que, apesar de o processo não discutir a propriedade do imóvel – mas, sim, as reformas que foram feitas nele –, os valores do terreno e das benfeitorias são equivalentes. Assim, não haveria como decretar a perda das benfeitorias sem afetar o imóvel.
De acordo com Gabriela Hardt, após a venda do sítio, a diferença entre o valor das benfeitorias e o valor pago pelo imóvel deve ser revertida aos proprietários – Fernando Bittar e a esposa. A alienação só deve ocorrer, porém, após o trânsito em julgado do processo.
Gabriela Hardt decretou a interdição de Lula para o exercício de cargo ou função pública pelo período equivalente ao dobro da pena estabelecida. A medida atinge ainda os outros condenados por lavagem de dinheiro – Léo Pinheiro, José Carlos Bumlai, Emílio Odebrecht, Alexandrino Alencar, Carlos Paschoal, Emyr Dinis, Roberto Teixeira, Fernando Bittar e Paulo Gordilho.
O G1 entrou em contato com a defesa de Lula, que informou ainda não ter um posicionamento sobre a condenação.
No início de janeiro, ao apresentar as alegações finais no processo, a defesa pediu absolvição por "insuficiência de provas" e "atipicidade das condutas".
No documento, com 1,6 mil páginas, os advogados defenderam, dentre outras pontos, que Lula "não é e jamais foi" proprietário do sítio e que não havia como provar que ele soubesse das reformas. Também alegou que o ex-juiz Sérgio Moro não tinha "a necessária imparcialidade" para julgar o caso e, portanto, o processo deveria ser remetido a outra Vara de Justiça.

G1

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Golpistas pedem dinheiro a contatos de WhatsApp na Paraíba e delegado faz alerta sobre golpes

Golpistas pedem dinheiro a contatos de WhatsApp na Paraíba e delegado faz alerta sobre golpes
Uma jornalista paraibana foi mais uma vítima de um golpe pelas redes sociais. A assessora de comunicação da Prefeitura de João Pessoa, Aluska Lacerda, descobriu na manhã de anteontem que teve sua foto e nome usados para pedir dinheiro e aplicar golpes nos seus contatos. Foram mais de 20 pessoas que receberam as mensagens e que imediatamente a avisaram. O delegado Marcos Vasconcelos, de Defraudações e Falsificações de João Pessoa, disse que já está tomando as providências em relação ao golpe sofrido pela jornalista Aluska Lacerda de Sá.
Através de um número com o prefixo de São Paulo, o autor da ação instalou o WhatsApp e abriu uma conta no aplicativo utilizando os dados de Aluska. Assim, começou a mandar mensagens no privado de pessoas da imprensa dizendo que um grupo de jornalistas seria desativado. Em seguida, disse que ela estava no banco naquele momento, a senha do cartão estava bloqueada e que estava precisando de um depósito em dinheiro que seria devolvido mais tarde quando ela voltasse para casa.

Muitas pessoas do mesmo grupo receberam as mesmas informações, mas nenhuma acreditou no pedido e imediatamente avisaram Aluska. Como não houve depósitos nem transferências, o golpe não teve vítimas e o crime não foi efetivado. "Abriram uma conta com a minha foto, mas com outro número e por volta das dez da manhã recebi mensagens de muitas pessoas dizendo que tinham recebido pedidos de dinheiro e que quando eu voltasse pra casa eu iria devolver. No telefone não parava de chegar mensagens com prints para saber se aquilo era verdade", explicou.

O telefone não foi clonado, pois um outro chip foi utilizado para que as mensagens fossem enviadas por um outro número que não é o verdadeiro da assessora. Ela contou que já tomou as providências cabíveis como denunciar entre os grupos e contatos do WhatsApp, fazer um Boletim de Ocorrência e entrar com uma ação cível com um advogado.

Aluska disse que foi vítima da ação de um estelionatário e que o juiz ainda poderá determinar a quebra de sigilo do telefone para rastrear os dados. Além disso, caso alguma pessoa acreditasse e transferisse o dinheiro, ela poderia procurar a delegacia para denunciar o golpe. Aluska suspeita que este é mais um caso de uma ação considerada comum entre algumas pessoas que trabalham com comunicação: utilizar da credibilidade e da profissão para roubar os dados e enganar as vítimas.

Alerta - O delegado Marcos Vasconcelos, disse que já está tomando as providências em relação ao golpe sofrido pela jornalista Aluska Lacerda de Sá. Pelo menos 15 registros desse golpe já foram feitos na DDF e o delegado disse que está juntando todos os boletins de ocorrências para se aprofundar nas investigações.

Segundo Marcos, as contas utilizadas pelos golpistas não são da Paraíba; na maioria, são de Goiás e Mato Grosso. "Estamos juntando todas as informações para abastecer a polícia daqueles estados. Se os depósitos fossem feitos aqui em João Pessoa facilitaria nosso trabalho, mas até agora ninguém apareceu, as contas são todas de fora. Estamos empenhados para solucionar essa questão".


Redação
PB Agora